domingo, novembro 19, 2017

MISOGINIA



TAMBÉM EXISTE A MISOGINIA NAS MULHERES

" Depois de ter passado mais de 4 anos sobre um documentário tendo as mulheres como principais temas, fiquei surpreendido com as suas histórias comuns de desenfreada desconfiança entre as mulheres, e ao mesmo tempo, a saudade por uma solidariedade verdadeira. " é impossível ser feminista e não ficar horrorizado com a cumplicidade de mulheres na sua própria opressão. Mas isso é impossível para uma mulher e que não tem qualquer conhecimento de como isto funciona. Se uma pessoa cresce numa cultura na qual a auto-estima é medida principalmente para agradar aos homens, então a sua energia é totalmente consumida por esta competição horizontal com outras mulheres e nunca poderão ser cúmplices entre si ." *



O que é Misoginia:

"Misoginia é a repulsa, desprezo ou ódio contra as mulheres. Esta forma de aversão mórbida e patológica ao sexo feminino está diretamente relacionada com a violência que é praticada contra a mulher.
A misoginia é a principal responsável por grande parte dos assassinatos de mulheres, também conhecido por feminicídio, que configura-se como formas de agressões físicas e psicológicas, mutilações, abusos sexuais, torturas, perseguições, entre outras violências relacionadas direta ou indiretamente com o gênero feminino.

Saiba mais sobre o significado de Feminicídio.

Etimologicamente, a palavra "misoginia" surgiu a partir do grego misogynia​, ou seja, a união das partículas miseó, que significa "ódio", e gyné, que se traduz para "mulher". Um indivíduo que pratica a misoginia é considerado misógino.

O antônimo de misoginia é conhecido por filoginia, que é o amor, afeto, apreço e respeito pelo sexo feminino."


(? *Tradução livre)
foto Luis Tobias

é urgente e preciso o acordar da mulher


A MÃE E A TERRA ESTÃO EM PERIGO

A Nossa Terra Mãe enfrenta hoje como nunca um caos cada vez maior não só a nível material e económico e geofísico como no plano das ideias e das filosofias. Estamos perante uma escalada de violência contra a condição humana a todos os níveis, a viver o maior caos humano jamais visto, penso, com toda esta proliferação de ideias e ideologias marxistas, comunistas e fascistas, ambas macabras, seja através da ideologia de género seja na visão pat...riarcal obsoleta dos fanáticos cristãos e muçulmanos, que visam sempre a destruição da mais elementar noção de identidade individual e humana - sobretudo da identidade da Mulher - e afastamento do sentido da vida original e sagrada.
Face a este descalabro humanitário e planetário em que a Terra inteira e a Natureza se encontram, com fogos arrasadores e cheias devastadoras, guerras químicas que criam intempéries e secas como consequência directa ou não da mão do homem, assolada por interesses bélicos e ódios raciais e fundamentalistas assassinos de mulheres, penso que caberia principalmente as mulheres do Mundo olharem de uma outra forma a Historia e o seu papel nela e fazerem tudo, mas TUDO, para DESPERTAREM PARA SI MESMAS e acederem a uma verdadeira consciência de si e do Principio Feminino a fim de resgatar essa essência Mulher que se perdeu nos tempos e ser capaz de expressar de novo o potencial do verdadeiro feminino, libertando-se da escravidão do sexo em que caiu e tornar-se assim um Pilar do Novo Mundo. Ocupar o seu lugar e não deixar tudo nas mãos e controlo do deus-homem, como aconteceu durantes estes milhares de anos...
Esta é sem duvida uma visão "estranha" das coisas e por isso quando falo da Deusa e da Mulher Soberana a fim de que a mulher acorde para o seu verdadeiro potencial afim de recuperar a sua dimensão ontológica e ligar-se de novo à TERRA, não só os homens como as próprias mulheres estranham esta linguagem e a rejeitam...
Seja como for é preciso e urgente que a Mulher recupere a sua natureza primordial a fim de resgatar a Terra Mãe da Incúria e da devastação pela mão predadora do homem que a destrói onde quer que se sinta seu dono ...
É à Mulher Mãe que cabe dar à Terra a expressão de maior abundância equitativa e a paz inerente à sua dádiva suprema que é ser ELA a progenitora da Vida Humana no Planeta.
rlp

sexta-feira, novembro 17, 2017

- A PRIMEIRA MULHER -

LILITH...

Na luz da Lua Negra
Tu não sabes quem sou
Por trás dos meus véus
Ocultas sombras
Fugidias
Dos meus dias de luz
Ouve meu canto
Meu pranto
Meu acalanto
Deita em meu peito
Em meu abismo profundo
Entra em meu mundo
Te levo aos céus
Ou ao inferno
Eterno
Terno
De caricia dos vales
Do meu escuro
Penetra em minha selva
Bebe minha seiva
Deixa teu sêmen
Teu suor
Teu sangue
Basta um corte
Antes da morte
Mas eu deito a sorte
A doce beleza
Com delicadeza
Rasga meus véus
Sou fêmea lasciva
Deusa despida
Amoral
Chama imortal
Princípio e precipício
De todas as formas
Embarca
E abarca a imensidão
De meus oceanos estelares
Minhas trevas lunares
E minha luz
Que te conduz em equilíbrio
Sobre o fio da navalha
No Éden dos desejos
Te faço mais forte
Sob as cicatrizes
Dos meus punhais
Não tenho rivais
Eu sou todas
A que tem asas
A que tem garras
A que tem fel
A que tem mel
Eternamente
Rosa dos ventres
Rosa dos ventos
Rosa dos tempos
Rosa dos templos
Decifra-me!
Em minha face de luz
Ou te devoro
Em minha face de sombras
Anna Geralda Vervloet Paim 
Porto Alegre,09/12/2009

UMA BREVE DESCRIÇÃO DO QUE SE PROPAGOU SOBRE LILITH ENTRE OS PADRES DAS IGREJAS E OS TEÓLOGOS DO DEUS ÚNICO...

É preciso ler com cuidado o que se vai ler aqui: ...as mulheres frágeis e ainda influenciadas pelo espírito dos patriarcas, formadas nas suas escolas, entregues aos seu mentores e anuladas na sua essência, ficarão com mais medo de si e do seu fundo que escondem há dezenas de anos... É preciso não nos deixarmos enganar nem ficar a pensar como eles...pois é essa a Sombra que a mulher carrega consigo e o peso que a atormenta e castiga de um mal que não cometeu e portanto sem a clarificarmos nunca mais nos libertaremos da canga de demónios, bruxas e súcubos, de sujas e imundas com o que o seu vocabulário nos nomeou; a forma com eles ao longo dos séculos degradaram a imagem da mulher e a conspurcaram de todas as aviltações, causas de todos os males...
Todas as deusas e a Deusa Mãe foram convertidas em demónios ou santas, nem Hecate escapou...todas as sacerdotisas da deusas foram transformadas em prostitutas...
É essa a Sombra da mulher que temos de resgatar com Consciência plena, com vontade e determinação. Sem medo do pecado...sem medo do que nos pesa ainda e amarra a todos os mitos e tabus que os homens criaram para destruir a Mulher e o seu poder interior de Mãe geradora e amante iniciadora...

O Grande medo da Mulher é mais velho que os tempos...
Assim ao lermos o que se segue podemos ter uma pálida imagem do que os doutos e santos da Igreja propagaram sobre a Lilith, a Mulher Primordial...nascida antes de Adão...e igual a Deus...(era Ela a Deusa INICIAL?)
Resgatar Lilith não é tentar corresponder ao que disseram sobre nós os padres nem o que as religiões pregam e até mesmo os esotéricos (contemporâneos) que fazem de nós...eternas demónios, sedutoras e assassinas de crianças (o que fazem os padres pesar às mulheres que abortam?) culpadas da ordem familiar e do fim da paz dos lares, ameaça perigosa e fatal para o homem...
Não, não é pela sexualidade desenfreada e libertina nem pela associação ao vampirismo e grupos góticos que continuam a destorcer a sua imagem e nossa imagem, afinal a dar crédito aos velhos patraircas que nos difamaram...que resgatamos a Mulher ancestral. É na Consciência da Mulher inteira, da mulher autêntica, aquela que nasce de si mesma e desperta para a deusa dentro de si..e não apenas fora.
rlp

O QUE NOS DIZEM AS RELIGIÕES E AS FILOSOFIAS SOBRE A MULHER:
(...)
"Dentro da Filosofia Gnóstica, o Inferno da Terra é regido por dois demônios, Lilith e Nahemah. Nahemah rege as duas primeiras Esferas, ou Círculos Dantescos, onde vibra uma classe de infra-sexualidade ligada ao adultério, às paixões, à bigamia, à fornicação etc. Lilith dirige as outras 7 Esferas infernais, onde reina a sexualidade mais depravada, onde se vê o homossexualismo e o lesbianismo, a masturbação e as taras e todos os tipos de fantasias sexuais. A imagem de Lilith, sob o nome Lilitu, apareceu primeiramente na Suméria por volta de 3000 A.E.C. Muitos estudiosos atribuem a origem do nome fonético Lilith por volta de 700 A.E.C. Lilith figura como um demônio da noite nas escrituras hebraicas (Talmud e Midrash). Lilith é também referida na Cabala como a primeira mulher de Adão, sendo que em uma passagem (Patai81:455f) ela é acusada de ser a serpente que levou Eva a comer o fruto proibido. No folclore popular hebreu medieval, ela é tida como a primeira esposa de Adão, que o abandonou, partindo do Jardim do Éden por causa de uma disputa, vindo a tornar-se a mãe dos demônios. De acordo com certas interpretações da criação humana em Gênesis, no Antigo Testamento, reconhecendo que havia sido criada por Deus com a mesma matéria prima, Lilith rebelou-se, recusou-se a ficar sempre em baixo durante as suas relações sexuais. Na Suméria e na Babilônia ela ao mesmo tempo que era cultuada era identificada com os demônios e espíritos malignos. Seu símbolo era a lua, pois assim como a lua ela seria uma deusa de fases boas e ruins. Alguns estudiosos assimilam ela a várias deusas da fertilidade, assim como deusas cruéis devido ao sincretismo com outras culturas. No fictício Livro de Nod, é também conhecida como Deusa da Lua, aquela que ensina Caim habilidades vampíricas, a que é tão antiga quanto o próprio Deus criador do céu e da terra. A imagem mais conhecida que temos dela é a imagem que nos foi dada pela cultura hebraica, uma vez que esse povo foi aprisionado e reduzido à servidão na Babilônia, onde Lilith era cultuada, é bem provável que viam Lilith como um símbolo de algo negativo. Vemos assim a transformação de Lilith no modelo hebraico de demônio.
Assim surgiu as lendas vampíricas, Lilith tinha 100 filhos por dia, súcubus quando mulheres e íncubus quando homens, ou lilims. Eles se alimentavam da energia desprendida no sexo e de sangue humano. Também podiam manipular os sonhos humanos, seriam os geradores das poluções noturnas. Mas uma vez possuído por um súcubus dificilmente um homem saía com vida. Três anjos foram enviados em seu encalço,quando ela deixou o Éden porém ela se recusou a voltar. Juntou-se aos anjos caídos onde se casou com Samael que tentou Eva ao passo que Lilith Tentou a Adão os fazendo cometer adultério. Então o homem foi expulso do paraíso e Lilith tentaria destruir a humanidade, filhos do adultério de Adão com Eva, pois mesmo deixando seu marido ela não aceitava sua 2ª mulher. Ela então perseguiria os homens, principalmente os adúlteros, crianças e recém casados para se vingar. Após os hebreus terem deixado a Babilônia Lilith perdeu sua representatividade e foi limada do velho testamento. Eva é criada no sexto dia, e depois da solidão de Adão ela é criada novamente, sendo a primeira criação referente na verdade a Lilith no Gênesis.
Algumas vezes Lilith é associada com a deusa grega Hécate, "A mulher escarlate", um demônio que guarda as portas do inferno montada em um enorme cão de três cabeças, Cérbero. Nos 2 últimos séculos a imagem de Lilith começou a passar por uma transformação em alguns círculos intelectuais europeus, por exemplo, na literatura e nas artes, quando os românticos passaram a se ater mais a imagem sensual e sedutora de Lilith , e aos seus atributos considerados impossíveis de serem obtidos.De acordo com Hermínio, "Lilith foi feita por Deus, de barro, à noite, criada tão bonita e interessante que logo arranjou problemas com Adão". Esse ponto teria sido retirado da Bíblia pela Inquisição. a sabedoria rabínica definida na versão jeovística, que se coloca lado a lado, precedendo-a de alguns séculos, da versão bíblica dos sacerdotes.
Sabemos que tais versões do Gênesis e o mito do nascimento da mulher são ricas de contradições e enigmas que se anulam. Durante os primeiros séculos da era cristã, o mito de Lilith ficou bem estabelecido na comunidade judaica. Lilith aparece no Zohar, o livro do Esplendor, uma obra cabalística do século 13 que constitui o mais influente texto hassídico e no Talmude, o livro dos hebreus.
No Zohar, Lilith era descrita como succubus, com emissões noturnas citadas como um sinal visível de sua presença. Os espíritos malignos que empestavam a humanidade eram, acreditava-se, o produto de tais uniões. No Zohar Hadasch , está escrito que Samael , junto com sua mulher Lilith, tramou a sedução do primeiro casal humano. O Talmude menciona que "Quando a serpente envolveu-se com Eva, atirou-lhe a mácula cuja infecção foi transmitida a todos os seus descendentes..."
(diversas fontes)

(...)

domingo, novembro 12, 2017

QUANDO SE FALA DE MULHERES



QUANDO SE FALA DE MULHERES...


"As próprias mulheres, no fundo de toda a sua vaidade pessoal, têm sempre um desprezo impessoal - pela mulher." - Friedrich Nietzsche


"Quando se fala das mulheres e para as mulheres, o discurso sobre a corporalidade parece tomar rumos precisos: o corpo parece ser a ancora da mulher no mundo, sua razão de ser, para si mesma e para o outro, para o desejo do outro. Essa é a lógica que orienta o discurso dos midea e se torna visível tanto no discurso da publicidade, quanto dos programas femininos . Essa equação mulher=corpo se reafirma nos programas femininos, onde abundam médicos de especialidades diversas para falar de tudo aquilo que falta ou sobra na insubordinação fisiológica feminina” *


 
ESTIVE A OUVIR UMA FEMINISTA RADICAL...

Pode haver feministas e definirem-se de muitas maneiras, mas nem o feminismo nem o marxismo fez mudar essa mentalidade misógina profundamente enraizada nos homens e na sociedade, nem a forma como pensaram durante séculos; é escusado pensar que as  mulheres que não tendo uma consciência interior  da sua verdadeira natureza ctónica e instintiva, e do seu ser Mulher, que esta construção teorica da "liberdade e igualdade" com o homem lhes deu de facto a emancipação;  as mulheres sem a capacidade nem a  estrutura psicológica - conhecimento de si a partir da sua biologia - que lhes permitisse serem elas mesmas como mulheres conscientes de si e dos seus processos, o que não aconteceu no feminismo nem no marxismo, e por isso as mulheres de hoje estão completamente perdidas entre teorias feministas e as ideologias de género...muito longe da sua feminilidade verdadeira, muito longe da SUA ESSÊNCIA primeira. Porque é essa essência que está em causa e não uma cultura sui generis...partindo de pressupostos socias e culturais resultado da alienação das mulheres da sua natureza profunda durante centenas de anos e adopção do ego masculino e as suas filosofias.
O que vimos acontecer por toda a parte com o feminismo e o marxismo foi que a mudança das leis e dos códigos e o dar as mulheres a liberdade no papel, a igualdade na palavra, não garantiu nada nem fez evoluir as mulheres por si e em si - bem pelo contrário -, iludia-as e enganou-as durante décadas.  Não há mudança exterior nem das mentalidades sem uma mudança de consciência interior individual e essa consciência interior faltou a mulher como um ente particular e diferente do homem; neste interregno ela apenas deixou de ser a santa mãe do lar e passou a ser a prostituta no trabalho até pela na forma de vestir e de actuar..."tão livre" que passou a ser a mulher antes condenada pela sociedade e que não deixou de o ser assim olhada pelos homens - apenas se disfarçou isso durante algum tempo, a verdade é que ela não encontrou nenhum  equilíbrio pessoal em si nem integrou essas duas mulheres que se dividem dentro de si. Sim, porque a mulher não percebeu ainda que está dividida em duas mulheres basicamente e por mais que faça e persiga estereótipos e queira ser livre ...ela continua em negação dessa mulher essencial que desconhece. E o facto é que ela afinal não fez mais do que adoptar um comportamento masculino e adoptar as ideias masculinas em defesa do género, mas em negação de uma parte de si que desconhece (que esqueceu) e quando escolhe um lado de si ela se separa de um outro....

Uma mulher pode  ser feminista, ser radical e lésbica, mas para ser MULHER, ela  teria de respeitar a sua essência feminina, a sua natureza intrínseca, mas sabem as feministas quem são essencialmente, quem são visceralmente, para além da anatomia ou da sua genitália?
Essa é a minha questão, que consciência de si têm as mulheres marxistas e positivistas, sejam a teóricas do género, as mais eruditas, sejam a mulher activista e intelectual ...Todas negam o seu lado instintivo e o lado sagrado da Vida, claro, tendo como factor determinante o  lado espiritual e não o material e o  pensamento racional apenas?
No caso das católicas e das new age como tidas como mulheres espirituais ou muito devotas de um deus, serem conservadoras e fiéis ao seu dono e negar a mulher intelectual e a feminista marxista, vai dar ao mesmo... a mesma separação...Aqui temos um vasto problema para equacionar, pois a mulher num e noutro caso, a marxista por um lado e a espiritualista por outro se tornam antagónicas entre si tal como a mulher do lar nega a amante, a puta e ambas ao negar um lado negam uma parte integrante de si. 

Ouvia essa dita feminista radical e muito da sua teoria até batia certo, mas a dimensão anímica e espiritual falta completamente a essas mulheres viragos, mais parecidas com os homens, do que com qualquer mulher naturalmente. Porque a mulher é também o feminino e o feminino não é uma aparência apenas determinada pela roupa sexy ou pela cosmética, pelo baton e pelos saltos altos ...mas por uma essência que as anima e que exala da mulher, diria uma substância, uma força integra, um íman - uma energia da qual essas mulheres estão muito longe...

 Enfim, no que concerne a mulher como um ser integral (nem puta nem santa, mas apenas senhora de si e do seu corpo) as feministas não fizeram nada...apenas tentaram mudar as condições de trabalho e os direitos sociais da mulher a partir do exterior no plano cultural e ideológico sem perceber que continuavam divididas dentro de si e fora...e que afinal lhes deram apenas mais corda...mas no momento da verdade, eles puxam a corda e querem mulheres de rédea curta...para voltar a dominá-las.
Não, as feministas não conseguiram quase nada...porque tudo o que conseguiram foi apenas seguir os discursos dos homens as suas teorias as suas escolas...e as mulheres que acreditaram nisso e ousaram ser "adulteras" porque pensavam que o corpo era delas e que eram emancipadas e livres ...são ainda punidas pelos juízes e vitimas da mais cruel violência machista e feminicídio...
Acabou de acontecer em Portugal...e está a acontecer em todo o mundo um retrocesso cultural e histórico que visa atacar e destituir as mulheres de identidade.

rlp

* Excerto de um Estudo de L.Graciela Natansohn
(da Faculdade de Tecnologia e Ciência)

sábado, novembro 11, 2017

"Se existir um futuro, ele irá usar a coroa do modelo feminino”.




A Rosa Secreta do Coração, a Mulher iniciadora dos Mistérios e a mulher essência foi negada e difamada, apelidada de "prostituta" (assim como o conceito sagrado de Sacerdotisa e mante da Deusa, a dita "prostituta sagrada" foi profanado) pelos patriarcas da igreja há muitos séculos. Todas as religiões patriarcais o fizeram, fazendo cair sobre a mulher o anátema da culpa e do pecado por ser a Tentadora do homem esquecendo de que também ela é a Mãe....

A Rosa Sagrada do Amor Feminino foi espezinhada ao longo dos séculos pela misoginia dos patriarcas do deserto, dos bispos e dos padres e dos homens em geral. Tal como a bela e livre Hipácia de Alexandria, grande filosofa e mestra,  foi esquartejada e queimada viva no primeiros anos da cristandade por monges fanáticos .....assim como mais tarde foram as mulheres mais belas apelidadas de bruxas e queimadas nas fogueiras da Inquisição que durante centenas de anos,  matou brutalmente milhares de mulheres sábias e livres, curadoras e videntes... 

A Mulher foi nesse período de maiores trevas sacrificada e imolada no fogo no altar da Natureza-Mãe. Esse foi o seu sacrifício à brutalidade e perversidade dos homens de poder e dos padres da Igreja de Roma que negaram a sua Alma, o Feminino Sagrado,  e a Deusa Mãe.
Muitos séculos de perseguição e ódio à Mulher essência e ainda hoje em todo o mundo essa perseguição persiste por Mafias que exploram e traficam mulheres e meninas e maltrataram a Mulher-Mãe, a Mulher-Amante, a Mulher-Sacerdotisa e a Terra, um verdadeiro holocausto. Mas a Mãe vai voltar e a Mulher  vai ressurgir em toda a sua plenitude tal como a Fénix Dourada, nascidas das cinzas e renascida do Fogo Divino, transmutada no Amor da Deusa...

É tempo de a mulher Ser Mulher e a Deusa através dela se revelar na Terra em todo o seu esplendor. Sem Véus, de braços estendidos, toda abarcante sobre o Planeta Terra...

Rosa Leonor Pedro


"A salvação na nossa era, penso eu, assenta na completa e total reconstrução do feminino – a Mãe – em todos os estados de espírito, aspectos, qualidades, paixões e poderes. Somente o regresso da noiva banida e degradada em todo o esplendor, pode restituir um casamento sagrado autêntico entre o masculino e feminino capaz e resplandecente a todos os níveis da nossa vida tanto interior com exteriores.... Com o regresso da Mãe, a raça humana pode uma vez mais ser infundida com a sua compreensão de interdependência, com a sua identificação com todos os seres sencientes em ilimitada compaixão, o seu grande apelo de justiça para todos e com todo o seu terno apreço à vida. Somente a sabedoria e amor desta Mãe em acção em todas as áreas da vida pode agora salvar a raça humana. O grande sábio indiano Aurobindo escreveu: "Se existir um futuro, ele irá usar a coroa do modelo feminino”.


Excerto do Pósfácio de: DEUSAS DA GALERIA CELESTIAL
do pintor tibetano Romio Ahresth – escrito por Andrew Harvey




quarta-feira, novembro 08, 2017

ÁGUA ANIMICA





«Todo o cuidado é pouco nestas veredas da vida. Seres que se achegam e nos apartam de nós. São como Duendes da Desatenção. A princípio, charmosos e eloquentes, e logo reviram as moléculas nos afastando do essencial. Da trilha da vida. Da Nossa Trilha. São pequenos sorvedouros de água, Água Anímica.

A Bela tem sempre consigo a figura do Monstro ou da Besta. São quase indissociáveis. É preciso estar alerta para perceber as suas movimentações. Na maior parte do tempo, rouba-nos as faculdades de pensar uma palavra, e de pensá-la com clareza. Agora, imaginemos, se tivéssemos a ousadia de nos estendermos para lá do seu terreno de actuação? Veríamos como, a sua perspicácia, é atordoadora. Diria que: "Come-te, esse lado do hemisfério onde habitam as ciências da escrita, a construção das palavras. Obriga-te a esquecê-las. Anseia por desejá-las todas para si."

Há pessoas que constroem bibliotecas interiores, por meio de aspiração. Limpando cérebros, sorvendo-lhes o pouco que têm. Tornando-te mais inconsciente de Ti e de Pensares e de Evoluíres. Eles não querem a tua Evolução. Eles anseiam a tua ignorância e aspiram assim, o Poder da tua Inteligência. São assazes nessa construção, e usam quem tu menos esperas para servirem de sorvedouro das tuas mais ricas capacidades.
Eles desejam o açaimo e a burka de toda a tua Alma e Corpo. Eles anseiam que descentralizes o mais que puderes de Ti, e te juntes à imbecilidade. Eles não querem a tua evolução e sim, o teu desastre humano. Eles são mais pobres de espírito, do que a tua pobreza física. Eles são os ávidos de Luz. Anseiam apagar a Luz da Vida. A tua Luz de Vida.

Eles nunca te dirão nada, dos seus reais intentos. Nunca. Nunca! Certifica-te disto, miúda. Mas serão hábeis, a fazer de ti um pião. Eles são egoístas, pensam em favor de si mesmos. Nada mais!!»


NãoSouEuéaOutra  in «Cadernos Escorpiónicos»


segunda-feira, novembro 06, 2017

A LEI ABSOLVE MAS O HOMEM CONDENA...



A Mulher consciente de si não luta por espaços públicos nem de liderança   politica económica ou social. A mulher consciente de si sabe que nesses lugares de destaque e de "decisão" dentro do Sistema a mulher não vai fazer nada por ela mesma ou pelas outras mulheres. Ela sabe que essa é a armadilha em que as mulheres modernas cairam - em que as feministas caíram ao pensar que "a igualdade e os direitos iguais" as iria levar a algum lado, mas só as levou ao seu avesso...e enquanto lutarem apenas por igualdade NUNCA SERÃO ELAS MESMAS, mas cada vez mais como os homens, sim, iguais aos homens no poder na força na violência na abjecção, na promiscuidade sexual etc!

Enquanto as mulheres não perceberem que o seu drama é a sua perda de Identidade, e que estão divididas dentro de si e umas contra as outras - aceitando a dicotomia da santa e da puta - elas farão o papel dos homens e o que os homens querem que elas façam e não serão nunca mulheres integrais nem conscientes de si...elas serão apenas uma parte da máquina que as esmaga e anula.

Temos este caso muito recente e flagrante de como uma juíza se juntou à voz persecutória e medieval do Juiz Moura (fundamentalista decerto) no seu parecer final ao condenar uma mulher, vitima de violência doméstica e gravemente ferida, de adúltera alegando, que por ter traído o marido  e desonrado o homem não só a condenou,  absolvendo  o marido e o amante que juntos a espancaram barbaramente...
rlp

É ESTA A ARMADILHA DA IGUALDADE...

"Qual tem sido a maior queixa das mulheres para defender seus direitos? Igualdade. Ou seja, o acesso livre aos cargos e funções que os homens ocupam no sistema. Seja parte do sistema corrupto e desastroso, em maior medida, criado pelo próprio sexo masculino.

Um mundo selvagem, violento, injusto, perverso como uma máquina fria e metódica que destrói tudo no caminho, nas asas de ideologias políticas absurdas, crenças religiosas ou ganhos económicos. Longe de tentar transformar este mundo vil às suas raízes, para destruir as estruturas psíquicas que causam sérios danos ao próprio sexo feminino desde tempos imemoriais, a grande reivindicação da mulher tem sido tornar-se uma grande peça desse mecanismo, tal como o homem o é.
Apenas isso.
Ser uma parte da máquina, simplesmente.
Isso é o que realmente representa a chamada "igualdade de género ".

E, chegando aqui, devemos nos perguntar por que o sexo feminino se contenta com tão pouco?
Por que não tem focado os seus esforços em derrubar as estruturas injustas do sistema, criando novos conceitos, radicalmente diferentes, muito mais desenvolvido e profundo?
Em suma, porquê que a mulher não se tem esforçado para criar e liderar um mundo radicalmente novo e melhor?
Criar e liderar um novo mundo. Isso representaria uma nova esperança para a raça humana, tão cega e perdida nestes dias.

Sem dúvida, alguns irão argumentar que para mudar o mundo as mulheres devem incorporar antes os cargos da sua gerência. Mas isso é uma falácia completa. Porque é justamente aí que está a armadilha. Como vimos, o poder transformador só vem dos grupos oprimidos que lutam para mudar as coisas e sonhar com novas realidades, ser utópica.
A necessidade de construir um futuro.
No entanto, a promessa de igualdade não abriga ao sonho de novas realidades.
Na verdade serve para matar esse sonho realmente profundo e reforçar as realidades existentes como únicas opções possíveis.
E a igualdade de género, uma vez alcançada, efectivamente eliminou a necessidade de essa transformação porque, presumivelmente, termina com a opressão que gerou essa necessidade.

Esse foi o grande sistema de armadilha para abortar a grande revolução das mulheres que poderia ter mudado a humanidade para sempre.

E com isso perdemos provavelmente a última chance de faze-lo.
Porque todos nós sabemos que uma mulher pensa e sente diferente do homem.
Experimentando coisas que um homem não pode jamais compreender.
Existe entre ambos os sexos uma enriquecedora e profunda diferença, tanto a nível biológico como a nível psicológico.

Um património natural inestimável.
No entanto, parece que o sexo feminino renunciou a estas valiosas diferenças, à sua forma particular de sentir e compreender o mundo e tornou-se também um homem, juntando-se, da mesmíssima forma que ele, à máquina do sistema.

in  GAZZETTA DEL APOCALIPSIS

Enquanto as mulheres se dividem entre si...



"OU EU ME VOLTO PARA DENTRO OU EU MORRO"...

"Daqui em diante se a gente não souber lidar com o impossível, o nosso cérebro não vai saber lidar com a realidade. Mas apesar de tudo isso é uma mensagem de esperança, uma mensagem de que a vida nasce do impossível..." Rose Marie Muraro


“Quando a cultura matricêntrica dá lugar ao patriarcado, rompem-se os laços de afeição que uniam mulheres às outras mulheres.
Agora, é a mulher que quando se casa vai para a casa do marido. A partir da dominação econômica exercida sobre ela pelo marido e sua família, a mulher introjeta a sua inferioridade.
E esta introjeção se traduz em dependência psicológica em relação ao homem em tendências masoquistas (sentir prazer em humilhações e sofrimentos) frigidez e carência sexual.
Enquanto as mulheres se dividem entre si, os homens continuam capazes de fazes alianças e muitas vezes de viver em grupos solidários,o que reforça então a sua superioridade construída sobre a divisão das mulheres.
Quando se torna adulto, o homem já não é capaz de amar a mulher. Ele cinde o desejo sexual do afeto e, com isto, cinde também a imagem da mulher. De um lado a esposa, a santa, a sucessora da mãe, que pertence ao domínio do afeto. De outro a prostituta (a libertária, a punk, a alternativa) aquela que pertence ao domínio do prazer.
Assim, o homem se divide para não se entregar, pois desde a infância aprendeu que entregar-se ao amor é ser castrado, e portanto, morrer, ser vencido.
Cada um, pois, homem e mulher, assume o seu lugar no sistema patriarcal a partir do mais intimo de si mesmo, sem saber que são ambos fabricados para serem o combustível do sistema, vivendo papéis que este lhes destinou.”

Rose Marie Muraro



UMA NOTA PARA LER E REFLECTIR...

Se lermos este trecho da escritora brasileira vemos que ela aponta de forma muito clara para a divisão da mulher MAS partindo da visão do homem, do que ele sente...ela diz que o homem se divide face a mulher mas ela não vê que a divisão começa logo na mulher menina ao ter de servir uma imagem de si segundo o que lhe exigem, começa mesmo com a divisão da imagem da mãe em boa ou má, santa ou puta...e não vê que todas as mulheres são obrigadas ao longo d...a sua vida em optar por ser uma ou outra imagem...e a virarem-se contra a mulher que se lhes opõe - se é santa...odeia a puta...se é puta...odia a santa - e claro que isso se reflecte sobre o filho e o homem ...

RLP

domingo, novembro 05, 2017

A MULHER INTEIRA


A MULHER COMO DEUSA

“O símbolo da Deusa não é uma estrutura paralela ao de deus-pai. A deusa não rege o mundo; ela é o mundo. Manifesta cada um de nós, cada pessoa pode conhecê-la interiormente, na sua magnífica diversidade. Ela não preconiza o domínio de um sexo pelo outro e não outorga nenhuma autoridade aos chefes hierárquicos temporais. Na Witch craft, cada um deve revelar a sua verdade. A divindade é vivida sob o aspecto da nossa forma própria, feminina ou masculina, porque ela também tem u...m aspecto masculino. O sexo torna-se um sacramento, e a religião consiste em voltar a unir o ser ao cosmo…Como mulher, a deusa nos inicia a perceber a nossa divindade, a sentir que o nosso corpo é sagrado. Mas a deusa também é importante para o homem. Por ser menos evidente, a opressão dos próprios homens no sistema patriarcal, dominado por um deus paternalista, não é menos trágica do que a da mulher…O homem é interiormente dividido, por um lado em ser espiritual obrigado a dominar a sua emoção, e por outro a domar os seus instintos animais. No Ocidente, ele tem de lutar contra si mesmo para vencer o pecado e, no Oriente, para matar o desejo e extinguir o ego…” Graças ao símbolo da deusa, os homens podem experimentar e integrar a sua própria feminilidade, que, em geral é o aspecto mais profundo e sensível do seu ser. A deusa não exclui o macho: ela o contém, assim como a mulher grávida contem o bebé macho.”*


ASSIM, UMA MULHER É UMA MULHER É UMA MULHER É UMA MULHER...

"Era uma vez uma mulher. Essa mulher era amada. Por ser amada, era reconhecida como inteira em si mesma. Por ser reconhecida, era livre para existir. Essa mulher vivia com os pés na terra e a cabeça nas nuvens, possuía todos os atributos de uma deusa. Era humana e ao mesmo tempo divina e havia algo de selvagem em seus olhos que nenhuma civilização ou religião poderiam domar. Por isso mesmo, essa mulher foi temida e, por ser... temida, foi reprimida e banida do convívio dos demais. Ela foi queimada nas fogueiras da ignorância, amordaçada nas malhas da censura, presa nas correntes da indiferença. Após tantos séculos de repressão, aqueles que a haviam desprezado acreditavam que sua luz havia finalmente se extinguido; que sua natureza selvagem e aterradora havia desaparecido por completo. Porém, essa mulher faz parte da própria natureza, ela é a própria natureza e não pode ser aniquilada. De sua completude temos apenas resquícios mas ela sobrevive nas histórias e nos contos de fada e no fundo da alma de todos, homens e mulheres que sentem um profundo sentimento de vazio e solidão em suas vidas."**


**Clarissa Pinkola Estes
*Star Hawk
IN Tantra – O Culto da Femininlidade - Outra visão da vida e do sexo
André Van Lysebeth

A FALSA EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES...


UNIR AS DUAS MULHERES EM CADA MULHER...

A divisão secular de  Maria, a virgem e casta mulher e a Maria Madalena, a amante pecadora, que o patriarcado dividiu dentro de cada mulher, separando a natureza instintiva e sexual da mulher da sua função maternal; desse modo  colocou a mulher ao serviço da espécie ,   que a mulher fosse a mulher objecto, portanto em dois lados da vida, sempre ao serviço do homem como reprodutora ou ao serviço do praze , tendo a puta e a culpada de um lado e  do outro a esposa, santificada, a mulher frigida e sem desejo, fiel ao senhor e dono.

A polarização extrema destas duas mulheres, na psique de cada mulher, gerou a fragmentação do seu ser como individuo e tornou a mulher que vive essa dicotomia permanente, vítima dos maiores distúrbios, quer a nível psíquico, quer a nível físico e fisiológico...
Mas mais grave ainda é a forma com essa divisão da mulher atingiu proporções de calamidade social e humana  ao vermos como hoje ainda a mulher é prostituída, continuadamente explorada e violentada pelos homens como mero objecto sexual,  fomentado por Mafias que fazem tráfico de meninas e mulheres  em todo o mundo. 

A mulher viveu assim seculos dentro dessa dicotomia e foi sempre julgada de acordo com a sua "escolha" de vida ou circunstância. Sempre privada da sua liberdade individual, como ente, ou julgada como prostituta caso não casasse ou não obedecesse portanto a um marido ou ao pai. Toda a violência doméstica, abusos e violações e o feminicídio são provenientes desta linha de pensamento judaico-cristão que impera no mundo católico e patriarcal e em que a mulher é pertença do homem e deve obediência ao homem e marido...ou então é excluída e condenada a ser "a puta"...
Nas ultimas décadas e através dos Movimentos feministas as mulheres modernas tentaram mudar o rumo dos acontecimentos e alterar assim  o panorama das suas vidas  para poderem ter alguma liberdade, apelaram a direitos e igualdades, porém,  nunca se preocuparam com "a mais velha profissão do mundo" como se isso não fosse parte de si,  aceitando tacitamente essa divisão do seu Ser Mulher como uma coisa inevitável e eis que nos nossos dias AGORA, depois de tantas supostas conquistas e liberdades...toda essa realidade cai em cima delas.... afinal a emancipação da mulher não só foi uma batalha perdida como arrisca a perder tudo do pouco que se consolidou nestas décadas...Podemos constatar isso na forma como as mulheres estão a ser de novo perseguidas e caluniadas, julgadas como adulteras por tribunais e juízes fundamentalistas... assediadas no trabalho e na rua, abusadas e violadas por migrantes nos países de acolhimento, em risco de vida permanente nas grandes cidades e a terem de voltar a vestirem-se moderadamente ou mesmo a usar Burkas, quem sabe, daqui a uns dez anos...
Hoje não há só essas Máfias organizadas, que as exploram mesmo na nossa cara, mas o toda a industria do cinema, agora denunciados os tubarões da cena que abusavam e assediavam ou violavam  usando o seu poder as atrizes assim com actores assediavam jovens etc. como também vemos a ”arte” e a própria publicidade que usam a imagem da mulher de forma abusiva e degradante e ninguém faz nada...
Caem os "Grandes Monstros"  de Hollywood que submetiam as mulheres  jovens e inexperientes ao abuso e vexame e até violação e a mulher que se julgava emancipada e livre é hoje na Europa  julgada com na Idade Media por juízes e juízas à luz do evangelho como adultera e ameaçada de atentado à honra do homem,  tal como no Egipto um qualquer  Ministro disse na televisão há dias que as raparigas que se vestissem a mostrar o corpo devia ser um imperativo nacional violá-las...

Enquanto isso os homens mais "dignos" e inteligentes que se dizem até feministas e estarem do lado da mulher e que são pela igualdade, no fundo continuam indiferentes à verdadeira mulher que desconhecem e  continuam a passar por cima dos interesses da mulher real, debatendo todos os problemas do mundo, menos a problemática das causas remotas que originaram essa divisão da Mulher em si, cuja culpa é do Homem e do Sistema falocrático que ela fabricou e defende.
Percebemos ver desse modo, que nem intelectuais, nem filósofos, ou artistas e espiritualistas, não havendo sequer um único político que se ocupe a sério do assunto, com excepção apenas de alguns escritores, que estejam verdadeiramente interessado nas questões profundas da mulher  e menos ainda da sua divisão que não entendem...embora vivam na pele o seu drama - sobretudo os que se sentem e são "filhos da puta"...

Quando a maior parte das mulheres compreender e acordar para esta realidade que é a das mulheres no mundo, em vez de continuarem a fingir que são livres e fazem o que querem... e virem que o que lhes falta afinal não é só ter sexo nem dinheiro, e que tem vida para além  do macho ou do falo, do filho e do lar ou do trabalho, sim quando  elas virem que o que lhes falta é  essencialmente essa outra parte de si mesmas (essa outra que lhe escapa) que ela  olha  e julga  como uma outra mulher a "inimiga", a rival, e perceber enfim que há só uma Mulher, e que TODAS AS MULHERES SÃO ELA MESMA, ela ficará abismada pela forma como foi dividida, desde Eva e Lilith, desde a Virgem Maria a imaculada (a esposa e mãe casta e sem pecado e a Maria Madalena, a mante a pecadora arrependida) ...Tudo isto para que as sociedades e religiões patriarcais reinassem pelo seu sacrifício e anulação continuado a culpá-las do mal do homem em todo o mundo.

Antigamente a mulher procurava manter a aparência de mulher "honesta e séria"...hoje a mulher que se julga livre, veste-se provocantemente e sem se aperceber  PORQUÊ (induzida pela moda e pela psicose sexual dos homens) veste as roupas da "prostituta", do modelo ou da mulher fatal do cinema, tal como fazem os travestis...expondo-se assim à agressão dos homens e  isso NÃO É LIBERDADE...é cegueira das mulheres perante o predador e o macho primário...
Não, nós não queremos defender nem uma nem a "outra", nem a santa nem a puta, cada uma para o seu  lado; não queremos defender nem  a profana, a promiscua nem a virgem imaculada, mas sim a   Mulher TOTAL, INTEGRADA uma Mulher Plena...uma só mulher. Queremos ser a Mulher Verdadeira e resgatar aquela que fomos na antiguidade...aquela que perdeu a sua  identidade ao ter sido despojada da sua unidade essencial e isto  ao longo dos séculos de cristianismo. A mulher foi   completamente denigrida pela Religião do Pater e do Filho, por todo  o Sistema Patriarcal! É pois essa mulher inteira que temos de resgatar: A Mulher que não será mais nem puta nem  santa...mas sim a Mulher -MULHER .

P.S.
Sei que algumas pessoas se perguntam como é que eu posso conciliar um "saber espiritual"...e viver uma batalha neste mundo materialista em defesa da Mulher, sem ser feminista e sem ser comunista...
Digamos que como ser "espiritual" sei que a mulher não pode aceder a essa dimensão sem primeiro conhecer a sua Essência de MULHER INTEIRA. E visto a mulher ser apenas um ser fragmentado e dividido em duas espécies de mulheres, divisão essa que o Homem fomentou para melhor gerir o seu domínio, enquanto a mulher não tiver consciência de que vive cindida e é apenas uma sombra de si mesma ela não estará capaz de lutar para ser coisa nenhuma.
Só isto explica o falhanço retumbante da luta feminista e que apesar de todos os "progressos" a mulher continue a ser no mundo abusada e perseguida em todos os meios, violada e morta só porque é mulher...isto é: ela é dividida entre a mulher que é a posse do homem e a prostituta que se vende para sobreviver numa sociedade fundada nessa divisão da mulher, a esposa e a puta...logo que "a esposa" (contrato assinado) não lhe obedeça ela é a puta e morta sem apelo nem agravo...nem os tribunais e leis a salvam.
Mulheres custa assim tanto perceber onde está o cisma mais antigo da sociedade paternalista e misógina???

rosa leonor pedro


O AMOR...


"Efémero"
de W. B. Yeats

"Os teus olhos, outrora nunca cansados dos meus,
Ocultam-se tristes sob pálpebras cerradas
Porque o nosso amor declina."...



E ela disse:

"Embora o nosso amor esteja em declínio, fiquemos
Mais uma vez junto à solitária margem do lago
Unidos nessa hora de tranquilidade
Quando a cansada e infeliz criança, a Paixão, adormece.
Como parecem distantes as estrelas, e distante
O nosso primeiro beijo e tão velho o meu coração!"
Pensativos caminharam por entre as folhas murchas
Enquanto ele, tomando-lhe a mão, lentamente respondeu:


"A paixão muitas vezes cansou os nossos corações inconstantes."

Os bosques cercavam-nos e as folhas amarelas
Caíam como débeis meteoros na escuridão e um coelho
Velho e aleijado passou de repente a coxear pela vereda;
O Outono tombava sobre ele. E agora eles ali estavam
Uma vez mais na solitária margem do lago:
Voltando-se, viu que ela lançara folhas mortas,
Colhidas em silêncio e orvalhadas como os seus olhos,
Sobre o seio e os cabelos.
"Oh, não lamentes", disse ele,


"O nosso cansaço; outros amores nos aguardam;


Odeia e ama ao longo das serenas horas.
Aguarda-nos a eternidade; as nossas almas
São amor e um contínuo adeus."




Em "Os Pássaros Brancos e Outros Poemas"
(tradução de Maria de Lourdes Guimarães e Laureano Silveira)

quinta-feira, novembro 02, 2017

 
"A realidade protege mais do que os sonhos, do que as coisas imaginárias.
Agustina Bessa-Luís - In "Dicionário Imperfeito"

NÃO HÁ COMO BRANQUEAR ESTA REALIDADE

"O patriarcado é o sistema de dominação masculina ancorado num etos de Guerra que legitima a violência, santificada pelos símbolos religiosos, no qual os homens dominam as mulheres através do controlo da sexualidade feminina, com a intenção de legarem a propriedade aos herdeiros masculinos, e no qual os homens, heróis de guerra, são instruídos para matar homens, autorizados a violar mulheres, a apoderarem-se da terra e das suas riquezas, a explorarem recursos e a apropriarem-se ou dominarem por qualquer meio os povos conquistados".*


O SISTEMA É O SISTEMA É O SITEMA - NÃO MUDA...

"A sociedade patriarcal valoriza e promove apenas os aspectos masculinos, subestimando e até mesmo reprimindo os aspectos femininos. O resultado é que a mulher se esvazia, perde sua identidade feminina essencial e se torna uma “cópia” caricatural do homem; o homem, por sua vez reduzido à masculinidade bruta e unilateral, perde a ligação com os valores femininos do seu mundo interior e passa a ter uma relação opressiva para com a mulher. Como restaurar a feminilidade, despontenciando a unilateralidade do mundo patriarcal, a fim de reequilibrar a identidade psicológica dos sexos e planificar a relação entre o homem e a mulher."**


A ARMADILHA DA IGUALDADE


"Qual tem sido a maior queixa das mulheres para defender seus direitos? Igualdade. Ou seja, o acesso livre aos cargos e funções que os homens ocupam no sistema. Seja parte do sistema corrupto e desastroso, em maior medida, criado pelo próprio sexo masculino.
Um mundo selvagem, violento, injusto, perverso como uma máquina fria e metódica que destrói tudo no caminho, nas asas de ideologias políticas absurdas, crenças religiosas ou ganhos económicos. Longe de tentar transformar este mundo vil às suas raízes, para destruir as estruturas psíquicas que causam sérios danos ao próprio sexo feminino desde tempos imemoriais, a grande reivindicação da mulher tem sido tornar-se uma grande peça desse mecanismo, tal como o homem o é.
Apenas isso.
Ser uma parte da máquina, simplesmente.
Isso é o que realmente representa a chamada "igualdade de género ".
E, chegando aqui, devemos nos perguntar por que o sexo feminino se contenta com tão pouco?
Por que não tem focado os seus esforços em derrubar as estruturas injustas do sistema, criando novos conceitos, radicalmente diferentes, muito mais desenvolvido e profundo?
Em suma, porquê que a mulher não se tem esforçado para criar e liderar um mundo radicalmente novo e melhor?
Criar e liderar um novo mundo. Isso representaria uma nova esperança para a raça humana, tão cega e perdida nestes dias.
Sem dúvida, alguns irão argumentar que para mudar o mundo as mulheres devem incorporar antes os cargos da sua gerência. Mas isso é uma falácia completa. Porque é justamente aí que está a armadilha. Como vimos, o poder transformador só vem dos grupos oprimidos que lutam para mudar as coisas e sonhar com novas realidades, ser utópica.
A necessidade de construir um futuro.
No entanto, a promessa de igualdade não abriga ao sonho de novas realidades.
Na verdade serve para matar esse sonho realmente profundo e reforçar as realidades existentes como únicas opções possíveis.
E a igualdade de género, uma vez alcançada, efectivamente eliminou a necessidade de essa transformação porque, presumivelmente, termina com a opressão que gerou essa necessidade.
Esse foi o grande sistema de armadilha para abortar a grande revolução das mulheres que poderia ter mudado a humanidade para sempre.
E com isso perdemos provavelmente a última chance de faze-lo.
Porque todos nós sabemos que uma mulher pensa e sente diferente do homem.
Experimentando coisas que um homem não pode jamais compreender.
Existe entre ambos os sexos uma enriquecedora e profunda diferença, tanto a nível biológico como a nível psicológico.
Um património natural inestimável.
No entanto, parece que o sexo feminino renunciou a estas valiosas diferenças, à sua forma particular de sentir e compreender o mundo e tornou-se também um homem, juntando-se, da mesmíssima forma que ele, à máquina do sistema.
 (...)
Parece que a grande luta do sexo feminino, seu objetivo principal está limitado a alcançar os mesmos cargos de poder que um homem e ter a oportunidade livre para usar calças, fumar, beber, usar drogas e fazer sexo, tal como o sexo masculino.
Uma grande conquista na escala cósmica, sem dúvida.
Elevação espiritual e intelectual em sua forma mais pura.
Um marco que deve ser objecto de admiração profunda para todo o sempre....
Porque, na verdade, onde estão as mulheres que mudam o mundo?
Quem são elas?
Foi a Lady Gaga, Madonna, Miley Cyrus ou a atriz da moda?
É mandatárias corruptas?
Talvez as jornalistas e tertulianas que obedecem a seus mestres, assim como qualquer jornalista do sexo masculino?
Ou talvez os milhões e milhões de mulheres escravas do consumismo, da moda e da televisão, exactamente como os homens?
E eis que a mulher se tornou incapaz de escapar do programa do sistema e de criar e liderar uma nova realidade escala humana.
Um exemplo claro disto é encontrado na religião.
É difícil encontrar uma instituição mais tradicionalmente masculina/ machista que a Igreja Católica.
Seu recorde de desprezo pelas mulheres listra níveis insalubre, chegando a considera-la, a qualquer momento, um ser impuro e pecaminoso.
Ainda hoje, as mulheres são tratadas quase como seres espiritualmente inferiores, não tendo acesso a quaisquer cargos com poder real na estrutura eclesiástica.
Mas qual é a reacção maioritária por parte do sexo feminino a uma instituição tão torcido e distorcido em seus preceitos?
Por acaso derrubamos as estruturas opressoras e definimos um novo conceito de espiritualidade que superasse todas as barreiras das diferentes religiões?
Não.
Parece que o grande objectivo das mulheres é reivindicar o direito ao sacerdócio, o direito de aderir a mesma estrutura obsoleta e ultrapassada que foi suprimida por dois milénios e que tem servido tão obedientemente."

(autoria desconhecida - quem identificar a autoria por favor dizer.)

* Carol P. Chris
**Erich Neuman - A GRANDE MÃE (um livro essencial)

AS MULHERES



"Não creio que as mulheres tenham problemas de solidão.
Estão preparadas para a solidão e, em geral, para toda a espécie de sofrimento; a natureza dotou-as com singulares poderes de resistência, o que os doutos alquimistas diziam ser humor frio e incapaz de maturidade intelectual.
Acho mesmo que a solidão é um estado natural da mulher; e por isso todos os movimentos ascéticos que envolviam retiro e culto da experiência espiritual, desde as vestais de Roma até às Damas do Amor ...Cortês, na Provença, partiam dum sentimento feminino muito acentuado.
Os homens não encaram bem esse protótipo de mulher espiritual, porque ele é o único que recria a independência feminina depois do primeiro Éden.
E diz-se primeiro Éden porque, segundo as Escrituras, houve, antes de Eva, uma mulher pura, inteligente e igual ao homem, de grande condição metafísica, porém cruel e sumamente poderosa. Chamava-se Lilith.
Em suma, o mito da mulher fatal, que o homem teme e, ao mesmo tempo, pretende conhecer como sua verdadeira metade.

O dilema é este: nós as mulheres, somos prosaicas, sobretudo quando somos naturais.
É próprio daqueles que são delicados e frágeis o serem terra-a-terra, porque isso lhes dá a impressão de estarem mais protegidos.
A realidade protege mais do que os sonhos, do que as coisas imaginárias."

Agustina Bessa-Luís
In "Dicionário Imperfeito"

"E continuamos a adiar...


"E continuamos a adiar, a esconder, a compensar, a ignorar.
(ignorância, tanta ignorância, tanta cegueira, tanta violência, tanto medo - tanto sofrimento. Tanta pequenez. Tão pouca humildade, tão pouco reconhecimento, tão pouca gentileza, tão pouca mansidão, tão pouca sensibilidade, tão pouca inteligência, tão pouco vagar - e tão amoroso, imenso e disponível o caminho mesmo à frente chamado a corda para a Vida).

Às vezes - tantas vezes! - compensamo-nos com as distrações (outra vez: make-up, sex, manipulação, abuso de poder, sacrifícios masoquistas, violência subtil ou gritante, tentativas de "ajuda" ao outro, jóias ou promessas * sonhos, fugas, distracções, ilusões) por andarmos a ter com connosco próprios uma relação abusiva enquanto achamos que os outros nos exploram, por exemplo,"
(...)
Uno Michael

A LEI DE APOLO


A MULHER, TODOS OS SANTOS A DESPREZAM

"Todos os santos a desprezam,
bem como todos os homens sóbrios,...
que se regem pela justa lei do Deus Apolo.


... Naveguei para procurá-la em regiões distantes,
onde era mais provável encontrar aquela
que queria conhecer mais que todas as coisas,
a irmã do miragem e do eco."


"A Deusa Branca", Robert Graves
...mas hacia vosotras mi pensamiento,
bellas, no cambia...


SAFO



O CAMINHO DA LUA
(...)
“A saudade pertencendo ao caminho da Lua, sua salvação é dada no mundo sublunar da transformação, do retorno cíclico da terra ao céu e do céu à terra, através da encarnação e reminiscências; tal ainda aquele regido e simbolizado pela serpente e pela espiral, (...)
Toda a estrutura da saudade pertencerá à metafísica lunar: como nesta, a sua ideia central é a do ritmo, na sucessão e união de contrários através do devir, por um dualismo solucionado numa integração final. (...)

A saudade, dentro de todo o seu contexto histórico, será marcadamente feminina, sua forma de ser e conhecer, fazendo-se preferentemente pelo sentimento, tal como essa religião e culto do passado galaico-português. Ela tece os fios do tempo na teia do devir, tal como a Grande –Deusa tecedeira, unindo passado e futuro. Assim já tecia a deusa lunar, como mediadora e senhora do tempo: com uma roca era representada a deusa encontrada em Tróia, assim como Isthar e a grande deusa hitita. E assim também as sucessoras da Grande-Deusa aqui neste mesmo território galaico-português, sobrevivendo através das lendas e tradições populares, as Mouras encantadas, também tecedeiras, como Circe ou Penélope, ou fiandeiras: defronte de seu tear ocultas no seu mundo subterrâneo, fazendo-se ouvir na noite de sua epifania, a noite se S.João; (...)
Alegre e triste, é a concepção da saudade, e também consoladora, tal como seria essa antiga religião da sua deusa. E à saudade pode-se considerar nos tempos de agora, como uma hierofonia lunar: de carácter místico, escatológico e soteriológico. Também como esta religião antiga, ela é fundamentada emocional e passional, e em si contendo esse triplo sentido e finalidade, tal como uma sobrevivência de sua antiga religião dos Mistérios. A saudade sendo no povo galaico-português, a maior sobrevivência actual e europeia, da antiga religião pré-ariana da Grande-Deusa. Daí a sua força de estrutura a singularizar toda uma dada cultura: Força que só lhe poderá advir dessa origem e natureza religiosa.

A saudade precederá também, na actual Galiza e Portugal, a chegada dos celtas, e será, com os vestígios megalíticos, a tradição matriacal e agrária, a demanda do Graal e o regresso ao Paraíso, uma herança do seu fundo pré-ariano.” (...)


Dalila L. Pereira da Costa, no seu livro “DA SERPENTE Á IMACULADA”

domingo, outubro 29, 2017

“O medo das mulheres, ou ginofobia..."


Os Hebreus, e a criação de modelos de mulheres aberrantes...


“O medo das mulheres, ou ginofobia, é um mal bem conhecido que remonta de muito longe na história da criação. Deus, diz-se, criou o homem à sua imagem. Mas seguramente não a mulher. Senão, ele não seria obrigado a renovar tantas vezes essa tentativa, criando tantos modelos de mulheres aberrantes, a acreditarmos nos múltiplos contos, lendas, mitos, midrashim e haggadah que, entre outros, nos transmitiram os Hebreus.” *



PORQUE OS HOMENS DEPRECIAM TANTO AS MULHERES...

“A atitude depreciativa que muitos homens têm em relação às mulheres é uma tentativa inconsciente de controlar u...ma situação em que ele se sente em desvantagem; muitas vezes ele procura eliminar o poder da mulher, induzindo-a a agir como mãe. Dessa maneira ele é liberto em grande escala do seu medo, pois na relação com a sua mãe quase todo o homem experimentou o aspecto positivo do amor da mulher. Mesmo assim não está totalmente livre de apreensão, porque ao fazer com a que a mulher seja mãe dele, ao mesmo tempo torna-se criança e está portanto, em perigo de cair na sua própria infantilidade. Se isso acontece ele pode ser dominado por sua própria fraqueza, e uma vez mais deixa a mulher o poder da situação. Consequentemente, a maioria dos homens aproxima-se de uma mulher com medo, não obstante seja um medo inconsciente, ou com a hostilidade nascida do medo ou, talvez, com uma atitude dominadora, para arrebata-la de um golpe. “ **


** In OS MISTÉRIOS DA MULHER
M. Esther Harding

*In LA DÉESSE SAUVAGE de Joelle de Gavelaine

escrever...



A PALAVRA SAGRADA

Um dia, há muitos anos atrás, antes sequer de ter começado este Blog, uma amiga dizia-me que eu tinha todos os defeitos de um escritor...não sei porque nem a que propósito ela me disse isso. Na altura não tinha escrito nenhum livro e não ia além do meu diário intensivo ao longo dos anos...Depois que escrevi alguns livros...devo continuar a ter os mesmos defeitos - não sei quais - menos o de me considerar "escritora"...é coisa que não entra na minha cabeça...Talvez o escrever só esteja entranhado, como um vicio, na minha pele...e seja uma memória de outra vida...

Ou talvez porque o que eu gostaria de escrever...não possa ser escrito...talvez porque o que eu gostaria dizer não haja palavras...talvez porque tudo o que leio em geral não me diz já nada...talvez porque a palavra se tenha tornado vazia de sentido e negócio escuro, pântano social onde todos vivemos atolados, vendidos aos mercados - à troca de interesses e comércio sexual...mentira e lisonja, engano e perfídia, prostituída da sua essência...e significado!

Talvez porque a PALAVRA perdeu o seu dom sagrado....e para mim escritor/a ou escriba também devia ser algo SAGRADO...alguém consagrado!

Não, não sou nem serei uma "escritora consagrada", mas apenas uma ESCRIBA fiel a mim mesma e à verdade que me exige ser autêntica sempre.

rlp

A "adoração do princípio feminino."



OS MISTÉRIOS LUNARES...


"Para nós do Ocidente, essas coisas são mistérios só vagamente pressentidos. Não podemos falar delas com certeza, mas ao mesmo tempo não podemos ignorar o fato da arte e poesia modernas, e dos sonhos e fantasias de muitas pessoas concordarem com os mitos e com os ensinamentos religiosos do passado.
Os símbolos, que aparecem hoje, e o seu desenvolvimento revelam movimentos abaixo do plano consciente que se assemelham, em aspectos fundamentais, aos movimentos imortalizados nos ensinamentos do passado. Falam-nos de um caminho de renovação que é novo em nossos dias mas antigo de fato, de um caminho de redenção através da coisas mais simples que é o ensinamento fundamental das regiões lunares e da adoração do princípio feminino."


M. Esther Harding in Women's Mysteries, Ancient and Modern

sábado, outubro 28, 2017

A CEGUEIRA DOS HOMENS E DAS MULHERES...



PORQUE BRANQUEIAM OS HOMENS O PASSADO?
E falam de uma suposta "igualdade" - mulheres sem entranhas, sem ventre nem seios...robots?


Estava a pensar em como é que os homens em geral, seja na politica seja na literatura ou arte e mesmo os ditos guias espirituais reagem à questão do assédio e da violência generalizada sobre a mulher, nomeadamente o FEMINICIDIO, sempre em negação, pela forma como escondem e branqueiam esta questão, não admitindo sequer um passado histórico em que a mulher foi efectivamente sonegada, sequestrada, escrava - e ainda o é hoje de Mafias -  e falam disso sempre com displicência e arrogância ou às vezes animosidade (não se querem lembrar?) quando olham as mulheres ao falar-se disso; eles querem que as mulheres hoje sejam suas iguais...e partir do memso plano sem se aperceberem de como as mulheres estão divididas e o mesmo acontece com as mulheres supostamente intelectuais e as feministas, quando se abordam estas questões entre si que consideram de foro "arcaico" e do passado, querendo sempre fazer parecer que está tudo bem e que a mulher conseguiu a igualdade...e é que hoje livre!

Sim a mulher está aparentemente no exercício de certos poderes e altos cargos e na luta pelo poder social e politico e desafia todos os tabus e preconceitos seculares  que estão vinculados  à religião e ao Sistema Patriarcal, e que sobre ela  ainda pairam, mas o seu  drama porém é que ela não viu a armadilha em que caiu e que afinal a conquista dessa igualdade...é uma falsa liberdade baseada na sua afirmação pelos valores dos homens, sendo como eles e nem elas nem os homens querem ver que isso nada tem a ver com a verdadeira feminilidade, e mesmo que sigam a moda e a estética e a cosmética, tudo isso é uma máscara que nada tem ver com a Mulher real, porque essa eles elas a rejeitam, tal como o útero, os ovário ou os seios e o tabu do sangue...Isso é tudo limpo...tudo apagado pelos múltiplos produtos de "limpeza" química...e só são referidos pelo cancro do útero dos  seios e dos ovários...sem saberem que precisamente porque os negam e se traem nessa essência as mulheres sofrem essa degeneração dos seus órgãos vitais.

As feministas lutaram por essa igualdade (e eu também), pela liberdade e direitos iguais aos homens...mas o que aconteceu é que o que conseguiram fazer foi transformar a mulher num travesti do homem e não se encontraram nunca como Mulheres...
A essência do feminino e a sua dimensão ontológica foi negada e apagada das suas vidas ocupadas e as mulheres são hoje mais masculinas e agressivas que os próprios homens e sujeitam-se assim a uma luta de forças quase bestiais que leva social e psicologicamente a uma crescente violência e abuso sobre si e sobre as outras mulheres - elas caíram na armadilha do patriarcado, na ilusão de liberdade, e não conseguem ver que estão cada vez mais longe da verdadeira mulher, da sua dignidade, lutando pelo Sistema e as suas ideias contra si mesmas...

rlp

foto - Luis Tobias

E A DEUSA DISSE



"Suprimindo a noção de Mãe-Divina, ou submetendo à autoridade de um deus-pai, desarticulou-se o mecanismo instintivo que fazia o equilíbrio inicial: daí advém todas as neuroses e outros dramas que  sacodem estas sociedades paternalistas."*


A Mãe Repressora e os Mitos Humanos

“Havíamos aplaudido com o entusiasmo possível, as várias invenções das mulheres: o vestuário, e a cozinha, e os começos da agricultura, e tudo o mais que se formulara por nossos olhos sem encontro com palavras disponíveis. No entanto, sentíamos que esse entusiasmo que nos fora possível, era pouco.
Sim, sentíamos a importância das nossas descobertas: demonstramo-nos como foram as mulheres as iniciadoras e aperfeiçoadoras de todas as passagens de um zero de vital sobrevivência até á construção de uma raça de gestos calculados e largo excedentes; e como o génio perverso dos homens só veio instalar-se sobre essas básicas condições, que lhes permitirão lutas e guerras e outros ambiciosos desperdícios.
Mas havíamos sonhado com a glória dos reinados matriciais – sem nos confessarmos.
Glórias de outra espécie: não os altos brados de dor e violência, não os sons metálicos das armas.
Sonháramos com uma lua vigilante e um sol amigável. Com chuva. Com aldeias que se solidificam: as peles e os paus e os panos das tendas dariam lugar a casas de adobe, de tijolos cozidos ao calor do sol. Chegaríamos mesmo á movimentação de enormes pedras, por processos hoje apenas congeminados, e às tentativas de imortalidade: templos e túmulos.
Aldeias abertas, cidades sem muralhas. Abertas ao mar, aos campos e pastagens em redor…
No centro das aldeias os vastos terreiros; onde os homens estilizavam o uso de sua força física em jogos e desportos…
E as mulheres penteavam e entrançavam seus cabelos, símbolos de força e de engenhos de magia. Gestos, símbolos, jogos técnicas passadas de mão em mão; e flores encarnadas nos canteiros das escadarias dos templos.
- Como poderíamos nós desenterrar tudo isso, sem escrita, sem palavras, sem escavações arqueológicas, apenas com nossa imaginação de amadoras? – dissemos.
Mas sabíamos que outras razões existiam.

A mulher com as palmas das mãos viradas para cima saiu do painel e sentou-se entre nós: sentada sobre os calcanhares, as mãos nos joelhos, com as palmas viradas para cima; expectante também ela. E contou-nos várias outras histórias e fontes de preocupações.

Dizia-se então que a grande Deusa tinha criado os seres humanos.

No seu ventre imenso e fértil ela faz os corpos. E depois neles começos a insuflar a sua magia: vida. Abria uma boca nos corpos, a vulva, e por essa boca os enchia com os poderes mágicos de criação. Metade dos seres humanos estava pronta – as mulheres – quando chegou a hora da deusa: esta tinha que se retirar, descansar, senão esgotaria seus próprios poderes.
Então, apressadamente, nem tendo tempo para abrir nos restantes corpos a boca criadora, a deusa neles pendurou as magias que lhe restavam.
E a deusa disse:
- Ficam bem pobrezinhos, estes seres com suas fontes de vida, seus sexos, assim pendurados entre as pernas. Mas nada mais posso fazer por eles. Chamar-lhes-ei “homens”, e espero que consigam absorver em seus corpos um pouco dos poderes mágicos que tristemente lhes balançam no baixo-ventre, quase caindo.
Apareceram também os vários mitos relativos às diferentes descobertas agrícolas: sempre relacionados com incestos, entre mães e filhas, irmãs e irmãs, irmãs e irmãos, mães e filhos. Porque o incesto é o símbolo do núcleo central e criador das mulheres. E a nostalgia incestuosa representa a memória das alegrias de ser produzido: um outro ser connosco gastou seu tempo, anos de vida, em nós incorporando valor que nos garante futura aceitação e utilidade. “

In “A Morte da Mãe” de Maria Isabel Barreno
citação *In LA FEMME CELTE - de Jean Markale

quinta-feira, outubro 26, 2017

TUDO TERÁ DE SER NOVO...

A IDENTIDADE PERDIDA DA MULHER

“A revolta da mulher é a que leva à convulsão em todos os estratos sociais; nada fica de pé, nem relações de classe, nem de grupo, nem individuais, toda a repressão terá de ser desenraizada
(...)
Tudo terá de ser novo. E o problema da mulher no meio disto, não é o de perder ou ganhar, mas é o da sua identidade.”*


Em 1972, ainda sob o regime fascista da ditadura** de Salazar que morre em 1970,  dois anos antes  do lançamento  deste livro, Novas Cartas Portuguesas, escrito por estas 3 escritoras portuguesas (na foto), Maria Isabel Barreno, Maria Velho da Costa e Maria Teresa Horta,  em 1972, assumidamente feministas,  e que por seu teor mais ou menos livre mais ou menos erótico e ousado para época a que as mulheres davam voz e cuja narrativa fugia ao velho padrão católico, o da mulher esposa virtuosa e do dona de casa, foi logo censurado e levou as ditas escritoras a tribunal, tendo por isso levantado uma onde de solidariedade internacional e a muit@s escritores estrangeiros intervierem na defesa da liberdade da mulher.
Portugal  na altura era um pais completamente  mergulhado na miséria e no analfabetismo e as pessoas eram totalmente retrógradas,  ignorantes e só pequenas elites e alguns intelectuais e artistas, socialistas e os comunistas em termos de ideologia, saiam deste padrão,  ainda que os comunistas nunca tenham evoluído muito no que diz respeito a liberdade das mulheres. Constatei isso em França em 1973 precisamente por ter fugido à PIDE indo para Paris tal como muita gente jovem fazia, os homens para fugir a guerra (caso do meu irmão) de Angola e Moçambique assim outr@s (o meu caso) por contestar a ditadura.  

Passados 45 anos após esta frase escrita por estas mulheres vanguardistas, uma delas ainda viva, e depois de sucessivas lutas feministas pela igualdade e pela liberdade das mulheres, com avanços e recuos e muitas divisões, chegamos de algum modo a um ponto em que poderíamos afirmar que colectivamente e finalmente as mulheres eram livres e senhoras de si, EMANCIPADAS,  e que não só comandavam as suas vidas, as suas escolhas, como tinham o respeito dos homens...eram livres para dizer NÃO ou se divorciarem...

Mas não..., eis o discurso do marido ofendido na "sua honra"...e que leva ao FEMINICIDIO
  1. "...és a maior puta do mundo; pensei que tinha casado com uma mulher séria e casei com uma puta da serra; a mim nunca me deixaste ir ao cú e os outros vão todos; (...); vou-te tirar a casa e no fim mato-te; tenho uma lista de pessoas aquém vou limpar o sebo) em primeiro lugar a ti e és uma mulher morta ".
  2. (palavras proferidas pelo marido da vitima que o douto Juiz condenou)

E..., justamente no ano em que já temos juízas em barda, deputadas e ministras e as faculdades tem mais mulheres a formarem-se do que homens...quem diria que em pleno sec. XXI,  em 2017,  UM JUIZ EMBARGADO viesse a condenar uma mulher - aliás várias mulheres por ele condenadas - por adultério baseando-se na Bíblia como referência de acusação, de uma mulher que foi vitima da mais brutal violência doméstica, física  e psicológica,  da parte do  marido e amante, que se uniram para a  castigar -  absolvendo os agressores,  por considerar que a  mulher adultera "uma ofensa a honra do homem" à luz da Constituição de 1887? e assim vemos como  a repressão fascista e católica não foi nem de longe nem de perto  desenraizada do povo nem dos Juizes...

Ora fui buscar esta citação das ditas escritoras por uma simples razão, para salientar que apesar das lutas e "conseguimentos" (até já tivemos uma Presidente da Assembleia da Republica - Assunção Esteves),  das mulheres em termos de trabalho-profissões e doutoramentos, estamos agora diante de uma enorme ameaça que é este tremendo retrocesso cultural recente no mundo e em todos os países, nomeadamente na Europa, com a ameaça do migrantes muçulmanos e a sua anti-cultura e fundamentalismo contra as mulheres e que se reflecte agora na "justiça" do homem português...um mour@? na forma arcaica e bíblica e que é comum nos meios  de comunicação social em que a mulher é denigrida e constantemente bode expiatório de todas as desgraças...A mulher é semrpe a primeira a cair em qualquer situação de crise como foi a dos Fogos em Portugal - todos os políticos homens e não só uma boa católica o fez...pediram a cabeça de uma Ministra. 
O agora o que este Juiz embargador fez e ditou a lei do alto da sua cátedra...foi o que a grande maioria dos homens pensa, políticos inclusive e NÃO DIZEM...porque a maioria dos homens saõ coniventes com essa mentalidade que é no fundo a sua. Porque NADA MUDOU nas mentalidades dos homens...

Estamos em 2017, como dizia e passaram 45 anos depois deste anunciado - Tudo terá de ser novo. E o problema da mulher no meio disto, não é o de perder ou ganhar, mas é o da sua identidade.”* - é que nada foi feito de novo e principalmente essa IDENTIDADE não foi resgatada desde logo nem as mulheres essas mesmas mulheres que lutaram e venceram...NÃO TEM QUALQUER CONSCIÊNCIA DA SUA IDENTIDADE, perderam-se como  Entes e mulheres mulheres. A Mulher nõa sabe quem é...

E é este o ponto a que queria chegar...

Conquistou-se a "igualdade e a liberdade", mas que liberdade e igualdade? Na verdade a Mulher assumiu a identidade do Homem e travestida de homem,  assumiu funções e cargos ...sendo oficialmente um homem de saias, com comportando e discurso masculinos, um ego masculino,  defendendo as mesmas ideias do Homem, e os seus ideólogos de género, abstraindo-se  completamente da sua natureza ontológica, da sua dimensão espiritual, que lhe dá identidade. 

A verdadeira mulher não existe e a suposta Nova Mulher pós 25 de Abril, não se libertou do estigma do passado, do universo arcaico e patriarcal, continuando a ser a adultera e a puta... a pecadora e a tentadora do pobre homem que até lhe concedeu a igualdade e a liberdade de ser como ele...igual a ele!!!
Não, a mulher, Essa  Mulher não é igual ao homem e não só não existe como está em risco de total desaparecimento sob a ameaça das ideologias de género que mais não visam do que a destruição do que resta da mulher como essência - coração, útero ovários, sangue  e seios - e estamos de novo todas nós diante de uma Nova Idade Media, a das trevas, que pretende anular de vez a mulher  como ente singular, afirmando-se que nem a mulher nem o homem existem, negando a existência dos princípios feminino masculino, e  considerando que são meras construções culturais... na eleição de um mundo alienado e desregrado dando como  natural os transsexuais, os transgéneros...etc.
A Verdade é que tudo isto e todo este caos humano tem todo a ver ca a falta de identidade da mulher e na sua  divisão  em duas espécies - a santa e a puta. Se não houvesse esta divisão não se poderia considerar a mulher uma puta...uma devassa ou uma adultera! Por isso é urgente que as mulheres se consciencializem de que travam neste momentos a maior batalha de sempre para recuperar a sua verdadeira identidade e serem  Inteiras. Só assim TUDO SERÁ NOVO... 

rlp


EM BUSCA DA VERDADEIRA IDENTIDADE FEMININA

"A mulher busca a sua identidade (...) mas o referencial interno, que é a sua própria terra psíquica, é negado. Ao fazer a substituição do seu ego feminino pelo ego masculino, fica desorientada e esquece que possui como potencialidades dentro de si mesma um princípio masculino que a pode ajudar"

"Na ansiedade de ser aceite socialmente, ela recusou a vivência dos princípios femininos, vistos como qualidades secundárias e inferiores, embora necessárias. "

"Pelo não reconhecimento da sua feminilidade (essencial) a mulher se afirma, como indivíduo, muito timidamente diante do homem. Ela procura vestir a máscara da objectividade masculina para ser aceite no seu mundo. E ele se impõe prepotentemente diante dela , exibindo a sua luz solar"***

*** O Casamento do Sol e da Lua - Raissa Calvacanti


** A ditadura salazarenta durou 40 anos e terminou no dia 25 de Abril de 1974

*Do livro Novas Cartas Portuguesas, Maria Isabel Barreno, Maria Velho da Costa e Maria Teresa Horta, 1972