sábado, agosto 10, 2013

A MULHER MASSACRADA...

"Percebo que está na moda... repudiar toda e qualquer ideia de uma conspiração masculina na opressão das mulheres... Concordo com as palavras de William Lloyd Garrison:

"Quanto a mim, não estou preparado para respeitar essa filosofia. Acredito no pecado, portanto num pecador; no roubo, portanto num ladrão; na escravidão, portanto num senhor de escravos; no mal, portanto num malfeitor."  — Ann Jones



"Era uma vez uma mulher. Essa mulher era amada. Por ser amada, era reconhecida como inteira em si mesma. Por ser reconhecida, era livre para existir. Essa mulher vivia com os pés na terra e a cabeça nas nuvens, possuía todos os atributos de uma deusa. Era Humana e ao mesmo tempo Divina e havia algo de selvagem em seus olhos que nenhuma civilização ou religião poderiam domar. Por isso mesmo, essa mulher foi temida e, por ser temida, foi reprimida e banida do convívio dos demais. Ela foi queimada nas fogueiras da ignorância, amordaçada nas malhas da censura, presa nas correntes da indiferença. Após tantos séculos de repressão, aqueles que a haviam represado acreditavam que sua luz havia finalmente se extinguido; que sua natureza selvagem e aterradora havia desaparecido por completo. Porém, essa mulher faz parte da própria natureza, ela é a própria natureza e não pode ser aniquilada. De sua completude temos apenas resquícios, mas ela sobrevive nas histórias e nos contos de fada e no fundo da alma de todos, homens e mulheres que sentem um profundo sentimento de vazio e solidão em suas vidas. Eles escutam o chamado que vem dos ossos, das profundezas da carne. O chamado da mulher selvagem há muito reprimida, há muito massacrada, mas de nenhuma forma esquecida..."


Mulheres que correm com os lobos - Clarissa Pinkola Estes

Sem comentários: